Aprendis:Uma Ferramenta para a aprendizagem (In)Formal em Informática na Saúde

Da aprendis
Ir para: navegação, pesquisa
Uma Ferramenta para a aprendizagem (In)Formal em Informática na Saúde
Autor Maria João Moreira Simões
Orientador Ricardo João Cruz Correia
Co-Orientador
Data de Entrega 2015/11
URL http://hdl.handle.net/10216/80792
Palavras-chave Wiki, Semantic Wiki, Web Semântica, Aprendizagem Formal, Aprendizagem Informal, Colaboração, Inteligência Coletiva
Resumo

“Os utilizadores acrescentam valor”. Esta ideia de que as pessoas são importantes e de que o seu contributo é essencial, é a principal característica da Web 2.0, uma versão mais social e participatória, sendo as wikis o melhor exemplo das ferramentas que a populam. As wikis proporcionam um ambiente colaborativo livre que permite a múltiplos utilizadores trabalharem numa mesma peça de conteúdo em grupo, de forma síncrona ou assíncrona, o que tem contribuído para o aumento da sua popularidade nos últimos anos, nomeadamente na educação. De facto, a sua arquitetura de participação oferece novas formas de aprender, que estão muito mais em linha com as necessidades atuais, o que faz com que sejam ferramentas perfeitas para a aprendizagem ao longo da vida, em qualquer contexto académico e/ou profissional. Sendo a Informática na Saúde um campo abrangente e em constante transformação e que carece de informação de qualidade na web, em português, os desafios que oferece são muito particulares, mas podem ser melhor ultrapassados se a informação dispersa for reunida e tornada acessível e se a colaboração na sua recolha e desenvolvimento for suportada e promovida. E isto pode ser conseguido por meio de uma plataforma wiki, especialmente se a ela estiverem associadas as potencialidades da Semantic Web – extensão/evolução da web atual que aplica semântica à informação online, atribuindo-lhe significado, de tal forma que tanto os humanos como os computadores a compreendam. Ao adicionar Semantic Web a uma wiki, através de anotações de metadados, a recuperação estruturada de informação por queries, a sua v reutilização automática e, ainda, a sua visualização como nas bases de dados passa a ser possível.


Objetivo: É objetivo desta Tese o desenvolvimento de uma Wiki capaz de reunir informação em português sobre Informática na Saúde (IS), através da recolha da inteligência coletiva de estudantes, professores, profissionais e instituições interessados e/ou ativamente envolvidos em IS nas comunidades de língua portuguesa e usar as potencialidades da Semantic Web para permitir a estruturação, interligação e reutilização eficazes dos conteúdos.


Materiais e Métodos: Numa primeira fase, foi feito um inquérito a estudantes e professores de Informática na Saúde em Portugal e no Brasil, para descobrir se existe, de facto, uma necessidade para uma wiki sobre Informática na Saúde, assim como para identificar os tópicos mais importantes a abordar. Utilizando os dados levantados através do inquérito, foi definida uma primeira estrutura para a wiki por meio de um mind map e, com base nesta estrutura, foi construída a aprendIS. De forma a potenciá-la, foram instaladas as devidas extensões semânticas e identificadas as propriedades e categorias necessárias à estruturação e relacionamento dos conteúdos. Na fase final, a aprendIS foi testada e avaliada, por meio de inquérito, por um grupo de alunos do Mestrado em Informática Médica da Faculdade de Medicina e da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Os resultados do inquérito de avaliação da utilização foram cruzados e comparados com as estatísticas produzidas e fornecidas pela própria wiki. Foram distribuídos entre 463 e 576 inquéritos online (foram utilizados grupos institucionais no Facebook que impossibilitaram determinar o número exato de inquéritos distribuídos) na fase de Identificação de Necessidades e Requisitos, sendo que foram respondidos 65 inquéritos, para uma taxa de resposta entre 11% e 14%.


Resultados: Os resultados do inquérito mostram que, mais de 50% dos 65 inquiridos que responderam, estão interessados em contribuir com conteúdo, mas é mais expressiva a vontade de utilizar. O mesmo acontece quando comparados os grupos de inquiridos com experiência profissional prévia em IS e sem experiência profissional prévia e os inquiridos que são professores e os vi que são alunos – 37% dos inquiridos sem experiência estão interessados em utilizar a wiki até 1 hora por semana e 30% por mais de 2 horas por semana; 35% dos alunos disseram estar interessados em utilizar a aprendIS até 2 horas por semana e 28% por mais de 2 horas por semana. Os resultados mostram, ainda, a existência de um consenso sobre o que esperam encontrar na plataforma, sendo o tópico mais votado, no geral, o de “Sistemas de Informação em Saúde” (80%), sendo que, quando comparados os grupos, a tendência mantém-se. No entanto, os inquiridos sem experiência profissional prévia em IS e os alunos foram mais abrangentes na escolha de tópicos. Do desenvolvimento da aprendIS, resultaram 388 páginas (75 de conteúdo), 57 utilizadores, 29 propriedades semânticas com 281 valores distintos, 53 categorias semânticas, 1402 edições e 6598 visionamentos (incluindo as criadas pelos administradores/desenvolvedores da wiki). Na fase final foram distribuídos 25 inquéritos online, tendo sido respondidos um total de 14 inquéritos para uma taxa de resposta de 56%. Os resultados mostram que os utilizadores estão satisfeitos e acreditam na utilidade da ferramenta: 100% dos inquiridos dizem conseguir aprender com os conteúdos dos outros; 50% estão muito motivados para continuar a contribuir; e 100% disseram recomendar a aprendIS. A utilidade da informação, o foco na Informática na Saúde nas diferentes vertentes, a rapidez e facilidade de acesso, a credibilidade dos conteúdos, a partilha de conhecimento com os outros e a possibilidade de colaboração, são algumas das razões apontadas e que justificam estes resultados.


Conclusão: Claramente, existe uma necessidade para uma ferramenta como a aprendIS. E o que a torna tão especial é ser a primeira wiki para países de língua portuguesa dedicada à Informática na Saúde neste formato (conteúdos só em português) e que inclui Semantic Web. E o seu futuro parece, já, bastante promissor, nomeadamente do que resulta do envolvimento formal da Universidade de São Paulo (Brasil), da Universidade de Minas Gerais (Brasil) e da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde na produção de conteúdos e na utilização para a gestão e publicação de trabalhos académicos.