Indicadores de produção hospitalar: Uma forma de medir a produção dos hospitais Portugueses

Da aprendis
Ir para: navegação, pesquisa
Indicadores de produção hospitalar: Uma forma de medir a produção dos hospitais Portugueses
Autor Tiago Nuno da Silva e Costa
Orientador José Alberto Silva Freitas
Co-Orientador Paulo Jorge Oliveira
Data de Entrega 2010/07
URL http://hdl.handle.net/10216/55368
Palavras-chave Gestão de informação, Qualidade dos dados, Produção automática de indicadores, Tomada de decisão
Resumo

Nos dias de hoje, com a tendência para os sistemas de informação electrónicos, as organizações, a nível mundial, são capazes de armazenar todo o tipo de informação por elas gerada. Esta informação é cada vez mais complexa, podendo conter dados de produção, consumo, facturação, etc. Sem desprezar o resto da informação produzida, pode dizer-se que os dados administrativos assumem uma relevância especial na gestão dessas organizações. É sobre estes dados que as organizações baseiam muitas tomadas de decisão, que definem o seu futuro numa guerra competitiva. Associados a toda a complexidade da informação gerada, estão os problemas de qualidade de dados, muitas vezes desprezados, mas que podem influenciar negativamente as medidas adoptadas e os objectivos traçados.


Esta tese, por um lado, procura, acima de tudo, chamar a atenção para este tipo de problemas, referindo algumas das suas implicações no âmbito hospitalar. Como resultado, apresenta uma sistematização dos vários erros possíveis encontrados em bases de dados administrativas, contribuindo com alguns exemplos práticos do erros encontrados durante o estudo sobre a qualidade de dados.
Por outro lado, é apresentada uma framework de produção automática de indicadores hospitalares, Indic.Care, que pode ser usada como base para a geração de relatórios que permitam medir não só a produção hospitalar mas também a qualidade dos serviços prestados. Para a selecção dos indicadores, paralelamente à revisão bibliográfica na área, foi utilizado o conhecimento de vários gestores hospitalares e de investigadores directamente ligados ao projecto.


A aplicação desenvolvida está a ser utilizada por duas administrações regionais de saúde, gerando relatórios de indicadores que contribuem para apoiar estas entidades nos processos de tomada de decisão e, nomeadamente, no acompanhamento do processo de contratualização dos hospitais. Na versão mais recente desta ferramenta, os relatórios referidos produzem cerca de 110 tabelas respeitantes a 23 indicadores, reunindo resultados importantes para traçar o panorama nacional da produção hospitalar.


Por fim, é apresentado um estudo de utilização do Indic.Care no auxílio não só à contratualização mas também no âmbito da gestão hospitalar. Este estudo utiliza o indicador “Internamentos inválidos (tempo de internamento inferior a vinte e quatro horas)”, para identificar os episódios que não são passíveis de serem facturados por parte dos hospitais. Para além desta identificação, são apresentados tabelas indicativas da evolução desses internamentos ao longo de dois anos, bem como é calculado o valor passível de ser facturado pelos hospitais, se esses mesmos internamentos inválidos fossem realizados em regime de ambulatório.