Qualidade de dados

Da aprendis
Ir para: navegação, pesquisa

Apresentação para projecção

Title
Qualidade de dados
Author
Vários autores
Subfooter
18h54min de 1 de março de 2016


Introdução ⌘

O tópico de qualidade de dados tem ganho especial atenção à medida que cada vez mais dados são recolhidos e re-utilizados para objectivos diferentes dos iniciais.

Condicionantes nos em registos clínicos ⌘

Os Registos Clínicos podem ser descritos como sendo um conjunto de documentos contendo informação clínica e administrativa relativa a um utente, que suporta a comunicação e a tomada de decisão na prática diária, tendo diferentes utilizadores e objectivos.

Os Registos Clínicos de Saúde são usados para:

  • prestação de cuidados
  • gestão
  • investigação
  • disputas legais

Este facto tem um impacto na:

  • forma como os dados são introduzidos por profissionais de saúde
  • forma como os dados são gravados
  • heterogeneidade encontrada quando se tenta integrar dados de diferentes SI

Diversidade na recolha de dados ⌘

  • Há cada vez mais dados de saúde em Sistemas de Informação (SI)
    • Muitos SI antigos continuam em funcionamento
    • Implementam-se novos SI diariamente
  • Actualmente os SI divergem quanto ao:
    • Objectivo (prestação cuidados, investigação, gestão)
    • Âmbito
      • actividade (registo clínico, administrativo, prescrição, ...)
      • especialidade médica
      • tipo de contacto (consulta, internamento, urgência, ...)
  • Tecnologia (stand-alone, cliente-servidor, web)

Normas e protocolos em saúde ⌘

A utilização de normas e protocolos facilita a:

  • compreensão e análise estatística de dados - pela utilização de protocolos de recolha e de sistemas de codificação e classificação
  • integração de dados entre SI, criando ambientes integrados nos quais os profissionais de saúde acedem a múltiplas fontes de forma ubíqua


Estruturação vs narrativas ⌘

Questões de modelo de dados ⌘

É difícil propor uma estrutura de dados, antes de se saber qual o uso a ser dada à informação.

Por exemplo, a investigação clínica necessita muitas vezes grande granularidade dos dados e que estes sejam recolhidos de forma uniforme, o que nem sempre corresponde ao formato usado na prestação de cuidados.

Narrativas ⌘

  • Porque a estrutura do registo clínico influencia fortemente a informação recolhida [1]
  • E porque as narrativas são essenciais na descrição de num episódio de doença

contêm mais informação do que códigos ou termos isolados

  • Os computadores deveriam permitir aos clínicos a captura das narrativas de forma fácil
  1. Walsh, S. (2004). "The clinician's perspective on electronic health records and how they can affect patient care." British medical journal 328(7449): 1184.

Flexibilidade na entrada de dados ⌘

DesenhoTumor.png Por vezes é essencial ter a liberdade para não cumprir as regras que o formulário impõe, como se consegue perceber pelo exemplo do desenho nesta imagem.

Qualidade de dados ⌘

Em 1979 Komaro et al., alertou que os dados clínicos recolhidos em papel eram recolhidos e armazenados com um elevado grau de variabilidade e falta de precisão [Komaro1979]

Este problemas ocorriam na:

  • recolha da história clínica
  • na execução e documentação do exame físico
  • interpretação dos exames laboratoriais
  • identificação e definição de doenças

Em 1997, Hogan er al. argumentaram que o os Registos cínicos electrónicos não eram avaliados apropriadamente relativamente à qualidade dos dados [Hogan and Wagner, 1997]

Compreensão e análise estatística ⌘

Para que os dados tenham qualidade devem ser: [Wyatt and Liu2002]

  • precisos
  • completos
  • relevantes
  • actuais
  • suficientemente detalhados
  • representados de forma apropriada (ex: codificados de forma consistente utilizando um sistema de codificação)
  • reter informação de contexto suficiente para permitir a tomada de decisões

Trabalhos relacionados ⌘