O standard DICOM-RT em Sistemas de Informação de Radioterapia - Um Estudo Nacional

Da aprendis
Revisão das 18h59min de 25 de maio de 2016 por Maria João Simões (Discussão | contribs)

(dif) ← Revisão anterior | Revisão atual (dif) | Revisão seguinte → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa
O standard DICOM-RT em Sistemas de Informação de Radioterapia - Um Estudo Nacional
Autor Celeste Margarida Gomes Marques de Oliveira
Orientador Pedro Pereira Rodrigues
Co-Orientador
Data de Entrega 2011/10
URL http://hdl.handle.net/10216/62158
Palavras-chave DICOM-RT, Radioterapia, Sistemas de informação, Interoperabilidade
Resumo

Atualmente, nos serviços de radioterapia existem diferentes Sistemas de Informação (SI) “proprietários” que funcionam de forma isolada com aplicações muito específicas, sendo que grande parte da informação disseminada em vários sistemas com fraca interface entre eles. Estes SI são muito orientados para o próprio sistema em vez de serem centrados no paciente, o que condiciona a disponibilidade da informação devido a incompatibilidades de formatos entre as estações de trabalho dos equipamentos e dos SI. A necessidade de integrar toda a informação dispersa dos múltiplos SI do serviço de radioterapia é amplamente reconhecida devido à sua natureza imagiológica e a demanda pela completude da informação clínica e melhoria tecnológica a nível de equipamentos. Para além do problema existente na transmissão de informação específica de radioterapia entre os SI do serviço, existe a limitação de partilha desta informação com outros serviços de radioterapia e instituições condicionando a investigação nesta área. Esta visível falta de interoperabilidade nestes SI causa descontinuidade nos cuidados de saúde ao doente oncológico, condicionando os ensaios clínicos, sujeitando-o a avaliações clínicas repetidas e decisões clínicas baseadas em informação incompleta.


A norma “imagem digital e comunicações em medicina” [digital imaging and communications in medicine – DICOM] possui uma extensão dedicada à radioterapia (DICOM-RT), que consiste numa série de objetos DICOM-RT que providenciam uma normalização da transmissão de grande parte da informação que circula no fluxo de trabalho da radioterapia. A norma DICOM-RT para além de permitir a conetividade entre os sistemas potencia a interoperabilidade entre as aplicações contudo, a sua implementação tem alguns problemas associados.


A presente tese visa investigar a relevância das extensões da norma DICOM-RT no fluxo de trabalho da radioterapia, nos perfis de integração da “iniciativa de integração da saúde para a radioterapia” [integrating the healthcare enterprise: radiation oncology- IHE-RO] e no modelo de informação do registo clínico eletrónico baseado em DICOM-RT. Para se atingir este objetivo, o trabalho foi dividido em diferentes fases. A primeira fase aborda uma revisão bibliográfica compreensiva do estado da arte da norma DICOM-RT. A segunda fase estuda a realidade dos serviços de radioterapia através de um levantamento nacional relativamente aos equipamentos de tratamento implementados, modalidades de imagem utilizadas, SI existentes e respetiva conformidade à norma DICOM. A terceira fase analisa a opinião dos peritos dos departamentos participantes acerca da interoperabilidade no contexto da radioterapia e importância da norma DICOM-RT.


O desenho do estudo é transversal e visa a representação da realidade encontrada nos serviços de radioterapia e da opinião dada pelos peritos das instituições participantes. Reporta resultados relativos ao período de maio a setembro de 2011. Um questionário foi criado e disponibilizado online para ser enviado via correio electrónico para um perito de cada instituição.


A taxa de respostas da população alvo (todos os departamento portugueses) foi de 70% e os resultados evidenciam que os serviços de radioterapia possuem SI e equipamentos de diferentes fornecedores, mas que existem poucos serviços com aceleradores lineares de diferentes fornecedores. Este facto revela que os serviços de radioterapia tendem a adquirir equipamentos do mesmo fornecedor para não terem que resolver os problemas de integração. Em relação às opiniões dos peritos acerca da interoperabilidade e da norma DICOM-RT, os resultados demonstram que eles acreditam nos benefícios decorrentes da integração entre os SI e equipamentos com a norma DICOM-RT, contudo revelam pouco conhecimento acerca da interoperabilidade.


De acordo com os resultados, uma lista de recomendações foi criada para aconselhar os profissionais envolvidos nestas questões de interoperabilidade na área da radioterapia. Recomendações para uma boa política na gestão de um serviço de radioterapia são enumeradas para diversas situações, tais como: na definição das especificações dos SI, na compra de novos equipamentos ou SI, na ocorrência de problemas de integração, etc. A conformidade com a extensão DICOM-RT e disponibilidade de todos os objectos DICOM-RT para a radioterapia externa é uma característica altamente recomendável para a aquisição de novos equipamentos de radioterapia, ao passo que a conformidade com a norma DICOM v.3.0 é essencial para os equipamentos imagiológicos. Um aspecto que também se considera importante na radioterapia é a adaptação dos fluxos de trabalho e de informação existentes aos perfis de integração do IHE-RO para a optimização da interoperabilidade nos departamentos de radioterapia.